Escritos - página anexa destinada a postagem de obras autorais

1 de fev de 2014

William & Emma - Capítulo 1

   Acordei de manhã com a voz um pouco impaciente do meu pai pedindo para que eu me levantasse. Sai da cama um pouco sonolenta ainda, e eu estava morrendo de preguiça de fazer qualquer tipo de coisa. Me sentei na mesa observando a comida que havia nela, essa hora do dia eu não tinha fome, mas eu tinha que comer de qualquer jeito. Meu pai se aproximou de mim, e falou o seu discurso cotidiano, sempre antes de sair ele me falava aquilo.

– Deixe as portas fechadas e não abra para estranhos. Tome seu café da manhã e prepare algo para beber, não coma isso tudo seco. E mais uma coisa, nada de computador a essa hora. – Não adianta de nada ele pedir para eu não mexer no computador, eu sempre desobedecia e ele nunca ficava sabendo.

    Papai me deu tchau e se dirigiu a porta, indo embora para o trabalho. Cortei um pedaço de queijo e coloquei dentro de um pão, segurei o alimento e fui para o computador, ligando o aparelho enquanto eu comia. Assim que o computador ligou, fui diretamente para o facebook, o site que eu mais frequento na internet. Coloquei meu email e minha senha, e logo entrei em minha conta. Observei as pessoas online, poxa, não há ninguém interessante. Mas foi ai que eu vi o William. Na noite passada ele havia me pedido em amizade, mesmo eu não o conhecendo eu o aceitei, já que conhecia o Mark, um amigo meu. Não demorou muito para que a janela do chat dele surgisse com um “olá” mas eu nem podia conversar com ele naquele momento, meu pai estava pedindo para eu sair. Respondi com um “oi” e seguida digitei “infelizmente não poderei falar com você hoje, mas amanhã a gente conversa, ok?” O garoto disse um “ok” e me deu tchau. Respondi com outro tchau e sai do computador. Mas agora ele está online novamente, e poderei conversar com ele, será que ele é legal?

“Bom dia” Mandei para ele.
“Bom dia” Ele respondeu depois de alguns segundos. “Tudo bem com você?”
“Sim, e contigo?”
“Tudo bem também. Ei, você curte Nirvana né?”
“Sim, eu amo essa banda” Realmente eu amo muito, Nirvana é minha banda favorita, e digamos que eu sou louca pelo Kurt. Eu acho ele incrível, e eu babo por ele. E as músicas são perfeitas, nossa eu nunca havia ouvido um som tão bom.
“Eu também! Cara eu admiro muito o Kurt, ele é um gênio” Falou William, eu já estava começando a gostar dele.
“Não vamos esquecer do Dave e do Krist, eles são super talentosos também, eu adoro eles!”
Passamos um bom tempo falando sobre o Nirvana. E logo fomos para outros assuntos. E caramba, o William é um máximo! Conversar com ele está sendo ótimo.
“E o seu coração, como está?” Ele falou e isso logo soou como se ele estivesse me paquerando.
“Estou solteira haha” Respondi. “E o seu?”
“Solteiro também, e precisando de uma fã do Nirvana.” Uau, agora sim ficou na cara que ele está me paquerando.
“Hahaha” Respondi meio tímida, e um sorriso bobo surgiu em meus lábios.

  Conversa vai, conversa vem, quando fui ver a horas já eram 11:00 da manhã. Escutei a voz de Mary – uma amiga de minha mãe – chamando meu nome lá fora, no quintal de casa. Ela havia chegado com meu irmão mais novo Andrew, que todo dia ela  buscava na escola. Me despedi de William sabendo que eu não podia mais ficar conversando com ele, eu tenho que ir tomar banho para ir a escola.

“William eu preciso ir, tenho que tomar banho e me arrumar para ir a escola” Mandei.
“Ah que pena, tudo bem. Antes que você vá, poderia me dar seu número de telefone?”
“Claro, espere só um segundo”

   Corri até meu quarto e peguei meu celular que estava na prateleira que ficava acima da minha cama. Eu havia meu número gravado na agenda, sim eu não sei meu número de cor, isso é estranho, faz bastante tempo que eu tenho o mesmo celular e até agora não decorei o número, acho que tenho problemas. Voltei para a sala, me sentei na cadeira e digitei para o William.

“87453354, me dê o seu também”
“96530867, posso te ligar hoje?”
“Ora, mas é claro! Ligue de 15:30, eu estarei no intervalo da escola” Mesmo sabendo que eu não iria conseguir escuta-lo direito, pois o barulho dos alunos iria atrapalhar, eu pedi que ele ligasse.
“Ótimo”
“Tchau William, até hoje a tarde”
‘Até, um beijo pra você, tchau.”
- - -
  Encontrei minha melhor amiga Amy sentada na carteira que ela sempre costumava se sentar, fui até ela saltitante e com um enorme sorriso no rosto, eu estava louca para contar de William para ela.

– AMIGA! – Falei um pouco escandalosamente. – Conheci um menino ótima!
– Conte-me tudo! – Falou Amy de um jeito engraçado.
– Fiquei a manhã inteira conversando no facebook com um garoto chamado William, poxa vida ele é muito legal! – Eu quase pulava de alegria enquanto falava. – Ele é loiro, sarado, um deus grego!
Amy riu.
– E ainda por cima é fã do Nirvana! – Falei.
– Não brinca, sério? – Disse Amy.
– Sério!
– Casa com ele Emma, poxa vida! – Essa frase me fez rir.
Jane se aproximou, outra amiga minha. Contei tudo para ela e ela ficou igualmente animada.
- - -
Intervalo. Eu segurava meu celular ansiosamente. Jane, eu e Amy conversávamos e então escutei o toque de meu celular. O nome “William” estava na tela. Atendi.
“Olá!” Falei.
“Oi Emma!”
“Estou feliz que tenha me ligado.” – Eu disse.
– William meu amor! – Falava Amy me provocando, seu tom de voz estava alto, com certeza ela estava fazendo isso para William ouvir. Dei um tapa em sem braço.
“Que barulho é esse?” Will perguntou.
“Ah, são minhas amigas me irritando, ignore”
William riu.
“Então... você tem algum cd do Nirvana?” Perguntei.
“Eu tenho todos” Ele respondeu.
Meu olhos se esbugalharam.
“Sério? Ai caramba!” Pois é, eu sou escandalosa.
“Sim, tenho o Nevermind, o In Utero. Todos!”

  Bateu uma invejinha agora. Passamos pouco tempo conversando, as zoações de minhas amigas ao meu lado dificultavam a minha conversa com William. Acabei decidindo que falaria com ele depois, numa hora melhor. Me despedi dele e desliguei o celular.
– Dá próxima vez que eu falar com alguém no celular e vocês ficarem me perturbando eu irei enfiar esse celular na garganta de vocês! – Exaltei-me.
– Calma queridinha. – Falou Jane me fazendo rir.
A voz do William é linda!