Escritos - página anexa destinada a postagem de obras autorais

14 de mai de 2014

Calibre 11 - Capítulo 10


Pumi, sul de Dustfire, por volta das 8 e 30 da manhã
Hoje sou levada ao refeitório.
Parece um local público, onde abrigaria várias pessoas, sendo que a raptada é apenas uma.
Há mesas compridas com umas seis ou sete cadeiras nos dois lados do lugar. Eu me sento em uma delas, e me sinto muito mais sozinha do que eu me sentiria numa mesinha com apenas uma cadeira. Está tudo muito silencioso e eu não tive contato com Ben nos últimos dois dias; também não parei de pensar no pulso esquerdo de Daphne. Como num gesto automático, olho o meu pulso esquerdo. Passo os dedos pelos números em relevo gravados irreversivelmente na minha pele. Então a porta se abre e o próprio Ben Verdan se materializa e entra por ela.

– O que você está fazendo aqui?!
Solto, tomando cuidado para não elevar a voz.

– Eu tenho os meus métodos.
Ele diz presumido e se senta ao meu lado, assumindo a expressão "negócios", antes de perguntar:
– Então, o que você descobriu?

– Nada, por enquanto.
Então eu lembro que tinha uma pergunta para ele e solto:
– Dustfire não deveria ser uma zona de combate?

– Dustfire é uma zona de combate.
Ben afirma.

– Então porque todas aquelas fazendas?

– Escute, Prudence. Dustfire é dividida em várias áreas; onde você estava não costuma acontecer confrontos, aliás, eles acontecem, mas são raros, apesar de ser um bom alvo. A zona de combate fica mais ou menos ao norte de onde você estava e lá só há areia, tiros e algumas poucas tendas.

 – E onde eu estou?

– Pumi, é uma cidade pequena e pouco habitada. Confrontos são ainda mais raros aqui.

 – Quando aconteceu o último confronto onde eu estava?

– Um pouco mais de um mês, eu acho. Algo como animais e alguns fazendeiros mortos. As casas foram saqueadas também.
Então ele se cala e ficamos nos encarando num silêncio incomodo que dura alguns minutos, antes que ele diga:
– Eu tenho que ir.

– Como estão meus irmãos?

– Bem.

– E Tiffany?

– Bem, também. Trate de descobrir alguma coisa logo. A GOSC está pressionando.

    Então ele vai embora e suas últimas palavras ficam na minha mente como um aviso.
A GOSC está pressionando...
Ben o disse em um tom amigável, mas eu sei que aquilo foi uma advertência.
Tenho que bolar um plano.