Escritos - página anexa destinada a postagem de obras autorais

16 de out de 2014

Tormenta - Capítulo 10

Uma mansão a estilo século XVIII, com suas paredes amareladas e colunas imensas se ergue a minha frente. Um bem cuidado jardim se estende aos meus lados, com grandes e viçosas palmeiras, crisântemos e narcisos, e mais além, algumas poucas árvores que quebram o silêncio com o barulho de suas folhas sendo sopradas pela brisa fresca. Eu pareço tão pequena e frágil diante dessa construção que aparenta ter sobrevivido a séculos, guerras e genocídios que um simples vendaval poderia me levar facilmente.
   O toc toc dos meus sapatos se une ao suave som das folhas enquanto me dirijo até a entrada da mansão. Apesar da construção ser antiga, a imensa porta da mansão possui o mesmo sensor que existe nas portas dos mais modernos prédios de New Roman. Encosto meu pulso na chapa de cobre e deixo que o leitor examine meu SIMC falso. Uma luz verde se acende e a porta se abre.  
      Há pouquíssimas mansões parecidas com essa em Calanma e a família Anshelf é dona de uma das maiores fortunas do país. Não é a toa que a herdeira Tiffany Anshelf irá se casar com o futuro presidente; além do dinheiro considerável, os Anshelf são os chefões de toda a indústria bélica de Calanma.
   O interior de Anshelf House é tão magnífico como o exterior. Uma imensa - e com corrimões bem esculpidos em figuras geométricas - escada surge no centro da grande sala, se divide no meio e serpenteia para os dois lados que se dirigem ao primeiro andar. A decoração mescla peças antigas e modernas, compridos sofás de bordas côncavas e abajus do século passado.

"Senhorita Jawanda?"
   - Uma moça loura chama, parada na escada. Ela usa um robe de organza verde-água por baixo do vestido de mesma cor, cabelos soltos, e seu braço esquerdo brilha com a delicada pulseira de ouro branco. Ela sorri gentilmente ao me ver e desce os quatro degraus restantes da escada, estendendo a mão para mim logo que se aproxima.
"Ah, que bom que está aqui, eu sou Tiffany."



"Muito prazer, srta Anshelf."
 
"Ora, deixe de formalidades." - Ela diz divertida, mexendo a mão no ar. - "Por favor, me chame de Tiffany, detesto ser tratada como uma senhora."

"Está bem, Tiffany." - Digo. Ela abre um largo sorriso e começa a tagarelar, em seguida.

"Eu já estava ligando para o Richard quando você chegou." - Tiffany faz um sinal para que eu a siga enquanto ela caminha em direção ao lado oeste da sala. - "Ele me disse que estava contratando uma nova secretária, e eu gosto muito de conhecer os empregados do meu futuro marido. Papai deve estar na empresa e mamãe deu mais uma de suas saídas repentinas, sabe-se lá quando ela vai chegar... Enfim, eu estava tão sozinha aqui dentro dessa casa que decidi me ocupar com os assuntos do casamento. Fico nervosa toda vez que lembro que está cada dia mais perto..."

Tiffany diz a última frase depois de um longo suspiro.
Mais uma porta se abre e eu descubro que estamos indo para o seu escritório... ou o de seus pais.

"Não vejo a hora de me mudar para a mansão presidencial!" - Ela exclama com uma alegria histérica. - "Pelo que eu soube, Helvet House vai ficar completamente entregue à irmã do Richard depois do casamento, Prudence. Já a conheceu, Terri?"

"Não, ainda não tive a honra."
   - Respondo brevemente. Apesar do incômodo que a voz estridente de Tiffany está me causando, tento prestar atenção no que ela diz o máximo que eu conseguir por um único motivo: preciso saber detalhes sobre a família Helvet e a tagarela noiva de Richard é o jeito mais fácil de conseguir isso.

"Ah, é a irmã mais nova dele." - Tiffany se inclina em minha direção e solta, divertida, como se estivesse contando um segredo. - "Cá entre nós, você não perdeu muito em não a ter conhecido..."

"Por que?"

"É entediante. Ela é psiquiatra criminal, sabe? Eu acho que todos eles são assim. Sempre observando, querendo analisar e entrar na mente das pessoas, fazendo perguntas, criando jogos psicológicos... Meu Deus! Sinceramente, as vezes tenho medo dela."

   Finjo uma risadinha e fico surpresa ao perceber que ela saiu mais convincente do que pensei que sairia. Tiffany também ri. Na verdade, eu não tenho a mínima vontade de lançar nem um único sorriso, mas o faço porque convém. Faz parte.
    Saio de Anshelf House, no final da tarde, cansada até os ossos. O motorista me leva até o apartamento onde estou morando, um prédio escuro num estranho formato oval no setor 3 de New Roman. Minha mente é tomada por devaneios que incluem uma banheira e água quente enquanto caminho até meu compartimento, o 0206f, e assim que entro, jogo meus sapatos e a bolsa para longe. Meu cansaço é tão grande que quase não noto que meu compartimento não possui sensores. Meus dedos voam para os botões da calça quando o som de uma voz grave me paralisa...

"Eu poderia simplesmente me calar e vê-la tirar a roupa,"
     - Andrew diz com leve escárnio.
"Mas acredito que isso seja muito indecente da minha parte."

"O que está fazendo aqui?!" - Vocifero, acendendo a luz. Ele mantém uma expressão relaxada e indiferente no rosto.

"Acho que já está na hora de ter uma conversa mais substancial com seu mentor, não acha?"

"Invadindo minha casa..."
   - Comento irritada.
"Bela forma de iniciar uma relação amigável."

"Ora, essa não é sua casa e esse não é o seu país." - Ele retruca. - "E de qualquer forma, não tenho a mínima intenção de me tornar seu amigo. Só estou fazendo aquilo que fui mandado fazer."

"Pois então faça. O que veio exatamente fazer aqui?"

"Conversar com você."
    - Andrew responde, como se fosse óbvio.
"Ah, e só uma coisinha, não deixe sua bolsa sozinha no escritório."

"Foi por ela que você entrou aqui?" - Pergunto.

"Não." - Ele responde, pegando uma maçã e mordendo-a, logo em seguida. - "Mas bem que poderia ter sido."

"Sim, o que mais?"

"O que sabe até agora sobre os Helvet?"

"Richard possui dois irmãos, todos eles trabalham para o governo..." - Começo, tentando reunir as informações na minha cabeça. - "Ele vai se casar daqui a uma semana e... ah, a garota é uma Anshelf, o que significa que esse casamento é importante para a guerra, até porque a família da Tiffany é que fabrica as armas que Calanma precisa para nos atacar."

"Bom começo, mas ainda não é o suficiente."
    - Ele diz.

"Você sabe mais do que eu" - Alego. - "E eu só estou aqui para fazer o trabalhinho sujo de matar o Richard, então, por que não me conta o que eu tenho que saber logo?"

"Porque eu quero que você descubra sozinha."
    - Então, ele completa, já com a mão na fechadura...
"Estou te analisando, querida. Vamos ver como se sai."