Escritos - página anexa destinada a postagem de obras autorais

16 de out de 2014

Tormenta - Capítulo 13

Dias após o casamento, a mansão presidencial mergulhou de volta a monotonia.
Eu estou cansada até os ossos, com uma boa quantidade de corretivo escondendo as profundas olheiras, tentando fingir animação ao me reencontrar com Tiffany, que agora não sustenta mais o Anshelf e sim, o Helvet.
    O motivo do meu cansaço são as noites que passei sem dormir. Vou confessar que é difícil, quase impossível, relaxar no coração de uma nação inimiga, vivendo uma vida de mentira, assumindo um personagem que pode ser descoberto a qualquer momento. Além do mais, o compartimento secreto de Richard e a cerimônia de posse, que se aproxima a passos largos, vem sendo as únicas coisas que consigo pensar agora. Matar o recém nomeado presidente e fugir. E se o plano der errado? Eu sei que é covardia, mas eu me sinto levemente arrependida em ter aceitado a proposta de Evan Muller.

"Senhorita Jawanda, a Sra Helvet está esperando-a no quarto."
     - Uma mulher de cabelos brancos presos num coque baixo aponta para as escadas que levam ao andar. Eu estranho o fato de Tiffany não me receber na sala, toda entusiasmada e cheia de sorrisos como na última vez. Me surpreendo ainda mais ao entrar em seu luxuoso quarto e vê-la sentada numa poltrona cinza-claro, claramente abatida.

"Richard a mandou vir aqui, não foi?" - Ela pergunta com a voz morta.

"Sim."
   - Respondo.
"Ele me mandou pegar uma pasta que esqueceu aqui."

Tiffany apenas balança a cabeça e se levanta, em silêncio.
Ela atravessa o quarto com a longa camisola de seda branca e detalhes em renda arrastando delicadamente no chão, assentuando ainda mais a brancura de sua pele e seus cabelos dourados. O quarto do casal presidencial é todo decorado em cores claras como cinza, salmão e branco. A cama de casal está forrada com uma grossa colcha de estampa floral e o quarto se parece mais com Tiffany do que com Richard. Os dedos finos e compridos dela agarram a pasta preta pousada no criado-mudo. Então ela se volta para mim e me entrega, sem dizer uma palavra.
Olho para seu braço e há uma mancha de um roxo doentio bem perto do cotovelo.
Eu a encaro por um bom tempo, esperando que ela me conte algo, que ela se abra comigo.
Tiffany me encara de volta, porém, tão silenciosa quanto antes.

"Sra Helvet."
   - A mulher de meia idade diz, junto à porta.
"Perdão interromper, mas sua mãe já chegou."

"Tudo bem, Violet, eu já estou descendo."
    - Tiffany afirma. Sua voz se tornou neutra, e quando ela me encara novamente, a fragilidade em seu olhar deu lugar a dureza.
"Então, srta Jawanda, deseja mais alguma coisa?"

*

Meus dedos se apertam fortemente contra a pasta enquanto caminho a passos largos até a sala de Eric. Ou Andrew.
Richard está maltratando Tiffany, isso é claro.
Só não sei há quanto tempo isso acontece; não é possível que ele tenha começado, do nada, em menos de uma semana de casados.
    A pasta que fui buscar na mansão presidencial diz mais respeito a Andrew Bordoni, o cônser, do que a Richard. Eu não sei o que têm aqui dentro, mas é um assunto particular entre os dois. A forma como Eric ganhou a confiança de todos aqui, inclusive de Richard, me impressiona até hoje. Passo meu SIMC no leitor e a porta se abre.
Eric não está sozinho, sentado displicentemente em sua cadeira, como imaginei.
Ele está gargalhando, e o som de sua risada se mistura ao som de outro riso, proveniente da mulher de cabelos compridos e ondulados que está sentada de costas para mim e de frente para ele.

"Terri!"
   - Eric exclama animado. A moça se volta para mim, com um largo sorriso nos lábios.
"Que bom que está aqui, veio numa ótima hora."

  A moça me observa com curiosidade no olhar, e seus lábios fazem uma curva sarcástica em seu sorriso. Não sei porque, mas não gosto dela.
A cor dos seus cabelos é de um preto claramente artificial, e seus olhos são quase tão negros quanto os de Eric. Há um brilho maléfico em seu olhar e eu tenho a impressão de que ela é aquele tipo de pessoa que se diverte com a desgraça alheia.

"Está é Helena Jumper." - Eric apresenta. - "Helena, essa é Terri Jawanda."

Um brilho de reconhecimento passa pelos seus olhos e ela se levanta, estendendo a mão para mim.

"Muito prazer, Terri."
   - Ela diz.
"Eu estava ansiosíssima para conhecê-la."

"Então meu nome não lhe é estranho?" - Pergunto. Helena solta um risinho.

"Claro que não." - Ela afirma. Depois olha de relance para Eric e completa - "Não quando Andrew não para de falar sobre você."

Eu encaro Eric e ele encolhe os ombros.
Então, me lembro da pasta em minhas mãos e digo, estendo-a para ele...

"O sr Helvet me mandou lhe entregar isso."

"Oh, claro, claro, obrigado."
    - Eric diz, como se acabasse de se lembrar do conteúdo da pasta.

"Bom, eu tenho que ir." - Digo, usando a voz mais macia que consigo. Minha vontade é escapar daqui e dos olhares críticos dessa mulher.
Eu caminho em direção a porta, sem esperar uma resposta dos dois, quando a voz de Helena soa atrás de mim...

"Nos veremos novamente, Terri."